Recentemente foram abertas vagas para inscrições em bolsas de estudos

Recentemente as vagas para inscrições foram abertas, mas infelizmente o seu prazo já se encerrou, mas somente da primeira chamada. Quem não conseguir fazer sua inscrição poderá tentar novamente durante a segunda chamada, que irá ocorrer no segundo semestre. No ProUni 2019 existem algumas novas regas a serem seguidas pelos participantes, como que são exigidos a apresentação de documentos que antes não eram necessários, ou não conseguirão se registrar.

Como também que as redações não podem ser copiadas senão será vista como uma fraude e seus pontos não serão válidos na hora de fazer a somatória final das provas. Sem deixar de contar que agora é muito mais fácil para as pessoas conseguirem acessar o seu site oficial, é só colocar seu nome de usuário e senha para poder ter acesso a tudo o que quiser sem nenhum problema.

E agora os professores de escolas públicas também podem concorrer a bolsas para poderem entrar em universidades. Para isso só é preciso que entregue o seu certificado comprovando que trabalha nesta área.

Outra grande novidade do ano de 2019 é que pessoas que possuem algum tipo de deficiência também tem chances bem maiores de conseguir uma melhor bolsa de estudos para estas instituições.

Segundo Semestre

O segundo semestre do ProUni foi em julho, mas se acaso não conseguiu fazer sua inscrição terá que esperar pelo próximo semestre para tentar novamente. Não é preciso que se desanime por causa disso, porque você ainda terá muitas chances de conseguir a sua vaga.

Na segunda chamada foram disponíveis mais de 120 mil bolsas para os candidatos, mas deste número 50 mil eram integrais e 70 mil são parciais. Fazendo com que as pessoas possam escolher mais de 20 mil cursos diferentes com mais de 900 instituições.

A segunda chamada ocorreu no último dia 27 de junho e foi somente até o dia 1 de julho. Então como podem ver, o tempo é realmente bem curto, e você precisa ser bem rápido para não perder este prazo da prova. Sem contar também que se não for possível forma uma turma deste curso, a vaga será fechada, fazendo com que você tenha que ir para a lista de espera até que possa ser formado alguma turma.

Durante a segunda chamada as pessoas conseguiram resultados bem melhores do que os da primeira chamada, que também se deve ao fato de que muitas pessoas não passaram na primeira e estudaram bem mais para a segunda.

Mas devido a isso muitas pessoas acabaram ficando sem vagas, pois são muitas pessoas disputando por isso. O número de pessoas que fizeram a prova é o dobro do número de vagas disponíveis.

Fazendo com que as chances de você ganharem sejam muito menores, então a melhor maneira é que você tente tirar a maior nota entre todas as pessoas. O que é uma tarefa muito difícil, simplesmente porque as outras pessoas também estão muito preparadas.

 

5 Maneiras de Usar a Nota do ENEM

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é uma prova anual a qual todos os estudantes do ensino médio devem fazer. Ela é opcional e por muito tempo não tinha finalidade. Mas hoje em dia a nota do Enem possui diversos usos importantes e o estudante deve conhecer para não desprezar o processo seletivo. Saiba também sobre o Matrícula Fácil 2019.

Como usar a nota do Enem?

Desde a sua criação a nota do Enem não teve uso por muitos anos. Os alunos eram convidados a fazer para medir a qualidade de ensino no Brasil. Valia como avaliação para estudantes do Encceja e só. Hoje a nota possui alguns usos diferenciados. São eles:

Serve como vestibular de universidades públicas

Integrando ainda mais o sistema de ensino as universidades públicas aderiram ao uso da nota do Enem como seu vestibular primeira fase. Por que só a primeira? Porque alguns cursos necessitam de uma segunda fase como ‘música’. O aluno precisa ter uma nota agradável no Enem para se encaixar nas vagas disponíveis.

Serve como vestibular de universidades e faculdades particulares

Uma boa parte da rede privada de ensino no Brasil eliminou o seu vestibular e deixou a nota do Enem como seleção principal. Algumas mantém os dois processos: nota do Enem e vestibular.

Para conseguir uma bolsa do Prouni

A nota do Enem é usada como base no processo seletivo de bolsas de estudo do Governo Federal. Podem ser bolsas parciais ou totais, indo de 25 a 100% do valor da mensalidade.

É pré-requisito do Fies

O Financiamento Estudantil (Fies) do Governo Federal exige um fiador, assinatura de contrato em banco parceiro e também uma nota superior a 4.5 em conhecimentos gerais e superior a zero no Enem.

Como critério de avaliação para bolsas de estudo

O aluno pode não ter vaga em universidades públicas, não conseguir uma bolsa no ProUni e nem o Fies. Mas pode tentar com sua nota alta do Enem uma bolsa na rede privada de ensino superior. Boas instituições abrem oportunidades para quem foi bem na avaliação.

Como se inscrever no Enem?

Até o momento a prova do Enem é aplicada uma vez ao ano. Tem sido mantido o calendário do Ministério da Educação (MEC) de aplicar a avaliação para alunos do ensino médio sempre no mês de novembro.

Mas apesar da prova ser realizada apenas no último trimestre do ano a inscrição acontece bem antes. Todos podem se inscrever no período indicado pelo MEC que se inicia sempre no segundo trimestre do ano, entre os meses de abril e maio.

A inscrição do Enem é realizada online por meio de um site criado apenas com esta finalidade. Se o aluno já fez uma prova do exame nacional antes seus dados continuam no sistema e é só acessar com o login e senha criados. Caso não lembre os dados é só informar os dados pessoais e o sistema é liberado para a criação de uma nova senha.

Os alunos devem pagar a taxa de inscrição para confirmar a sua presença no dia da prova. Contudo, alunos de escola pública e baixa renda não pagam.

Como estudar para os exames do MEC

Como estudar para o Enem – Os estudantes que irão prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) precisão estar preparados para a maratona de provas. A cada ano o exame está cada vez mais concorrido e para garantir uma vaga na universidade é preciso estudo e dedicação. Para os alunos que não tem tempo de estudar em cursinho ou condições de pagar, podem optar por aulas gratuitas na internet, para se preparar para as provas.

Uma das opções disponíveis para os alunos foi lançada pelo MEC, justamente para auxiliar o estudante que busca por um ensino gratuito. Por meio do site Hora do Enem, você tem acesso a uma série de ações de apoio, como simulados e vide aulas.

Hora do Enem pode ser acessada em tablets, celulares e no próprio computador. Para utilizar o aplicativo, o estudante precisa informar o curso para qual irá prestar a prova e quantas horas por dia pode se dedicar aos estudos para o Enem. Com essas informações o aplicativo monta um plano de estudos voltado para os objetivos do participante, oferecendo os exercícios, resumos e vide aulas mais indicados.

Simulados e aulas pela internet são opções cada vez mais procuradas por quem está estudando para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). É preciso, no entanto, ter alguns cuidados na hora de escolher a melhor plataforma.

É necessário que o aluno conheça a prova, para saber como se preparar para o exame. Lembre-se que o Enem é uma prova diferente de vestibulares comuns, o exame não monta questões com determinado conteúdo para selecionar o aluno, mas sim aborda competências e habilidades.

Conheça a prova: A dica é que o estudante acesse no Inep o conteúdo das provas e as referências. Assim, conhecendo a prova, o candidato consegue separar na internet o que é bom do que não é.

Tenha atenção: O aluno precisa estar atento, pois inúmeros sites divulgam questões de vestibulares como se fossem do Enem. Os conteúdos são diferentes e o estudante perde tempo em vez de se preparar. Existem sites que contêm múltiplas funcionalidades, explica, como listas de exercícios, material de apoio e simulados, que ajudam o estudante a se preparar melhor para o exame.

Conteúdo multimídia: Questões comentadas do Enem e videoaulas são ótimas opções. O fato de poder pausar e voltar, assistir quantas vezes achar necessário resolve metade dos problemas em sala de aula. Pois em sala, se o aluno se distrai acaba não conseguindo acompanhar o restante da explicação. A internet colabora para que o aluno esclareça suas dúvidas e aprenda matérias que nem sempre aprende na escola cursinho presencial.

Questões Enem: Resolva exercícios, eles ajudam na preparação paras as provas. O treinamento é fundamental para o aluno conhecer suas limitações e dúvidas. Busque aplicativos que disponibilizem questões já aplicadas em concursos anteriores. A maioria dos sites oferece a opção de escolher quais áreas do conhecimento quer estudar e o banco seleciona as questões de maneira aleatória.

 

Importância da Educação na Carreira Profissional

Um negociador tem a seu dispor táticas mais duras e táticas mais leves para utilizar em uma negociação. Greve é tática dura, pesada, uma tática mão de ferro. Usar tática mão de ferro pode ser produtivo em alguns casos, mas proporcional ao lucro tem o risco, é sempre assim. Dessa forma, não dando certo, a consequência normal de táticas mais pesadas é que saia sangue, de todos ou de pelo menos uma das partes. Pode acontecer sobrar pedaço de farpa para quem nada tem a ver com o pato. Briga é briga, é assim mesmo.

Na Bahia, nossos professores e o governo da Bahia resolveram pesar a mão e partir para a negociação com táticas duras: ninguém cede, tomo mundo tem razão e vamos nós com uma greve que já dura 90 dias. São três meses sem aulas nas escolas da rede pública estadual.

Sabe-se o quanto a educação de qualidade é importante para o seu futuro profissional, sendo assim, caso você não possua condições financeiras para arcar com os custos de um curso que desejas, poderá participar do programa Educa Mais Brasil 2019, que oferece bolsas de estudos de até 70%.

Se você deseja participar, poderá realizar as inscrições no programa através do site oficial, que fica disponível durante o ano todo. Basta escolher o curso que desejas realizar, ver se você se enquadra em todos requisitos e informar seus dados de forma correta.

A TV local tem noticiado esta greve no telejornal todo dia, já não se muda a pauta nas reuniões da redação, o que se decide é de onde serão feitas novas tomadas e que imagens de arquivo serão utilizadas. A negociação, pelo menos entre os jornalistas, tá mais fácil do que nunca sobre o que entra e o que não entra no jornal. Já partem com metade da pauta feita. Não sou um grande fã de TV aberta nem de noticiários. Acho que os temas violência e política não são os únicos da minha vida, o que nos querem fazer parecer os jornais das TVs locais e nacionais.

Mas, em um desses descuidos de perda de tempo, peguei-me no café da manhã assistindo um desses telejornais que trouxe alguns dados interessantes sobre a economia americana, mostrando que os Estados Unidos não são mais o mesmo. Pesquisa recente, afirmou o jornal, mostrou que a taxa de desemprego do país fechou em 8,2% em maio deste ano, valor alto para os padrões americanos, mas nem tanto para os de cá. Ainda neste campo, dos nove milhões de postos de trabalho perdidos desde a crise de 2008, menos da metade foram recuperados. Os jovens de lá, na faixa de 18 a 29 anos, tem o índice de desemprego bem pior que a média nacional, totalizando 13%, sendo ainda que os que conseguiram trabalho, 32% estão atuando fora da sua área de formação.

Nada de novo até aí, estamos sempre ouvindo notícias da crise nos Estados Unidos. Porém um dado perdido na reportagem chocou-me: uma pesquisa feita pela ex-secretária de estado americana, Condoleezza Rice, constata que não saber ler e escrever é um dos motivos principais que os jovens americanos não conseguem entrar nas forças armadas. Afirma ainda que o problema central se encontra de educação do ensino médio, que tem formado mal os jovens americanos, deixando lacunas graves principalmente em inglês e matemática.

Sempre tivemos o sonho de sermos americanos, assistindo os filmes de Hollywood. Era o nosso modelo ambicionado para viver: consumir, comprar carros, viajar, ter a casa própria. Agora, com esta malfadada negociação, que deixa nas ruas alunos com vontade de estudar aqui em baixo e a crise que assola a América de cima, acho que estamos mais perto do que nunca de nos tornarmos americanos. Ou será que são os americanos que estão se tornando brasileiros? Acho melhor começarem a passar filmes de outros países na sessão da tarde.